Conecte-se

##BIOGÁS

A promessa do biogás

Resíduos - das cidades, da indústria, da agropecuária - são a fonte para um combustível renovável que pode substituir do gás natural ao diesel. No Brasil, o potencial é enorme.

Melina Costa, do Economia do Futuro
##BIOGÁS21 de set. de 232 min de leitura
Melina Costa, do Economia do Futuro 21 de set. de 232 min de leitura

Um combustível que não só substitui aqueles de origem fóssil como também reduz emissões de metano para a atmosfera. É eficiente, fácil de armazenar, de transportar e cuja matéria-prima é abundante no Brasil. Eu estou falando do biogás, um combustível resultante do processo de decomposição de matéria orgânica, como o esgoto de cidades ou os resíduos de animais da pecuária. Ou seja: coisas que a consideramos lixo e não matéria-prima. 

O Brasil já tem mais de 850 plantas de produção de biogás. A maioria delas usa bactérias para tratar resíduos e gerar energia elétrica. Mas o biogás também pode ser usado para substituir o gás natural, o GLP (mais conhecido como gás de cozinha) ou mesmo o diesel em veículos do transporte pesado. O potencial do Brasil nessa área é gigantesco. Só no curto prazo, seria possível quase quadruplicar a atual produção. Uma estimativa do setor aponta que o biogás poderia substituir setenta por cento do diesel consumido na frota brasileira de veículos.

Para chegar lá, o país precisa vencer algumas barreiras tecnológicas e, principalmente, regulatórias. É sobre isso que eu conversei neste episódio do Economia do Futuro com Leidiane Ferronato Mariani, especialista em energias renováveis e fundadora da Amplum Biogás, empresa de cursos e consultoria na área. A Leidiane pesquisou a fundo o potencial do biogás no Brasil, como parte de um projeto de pesquisa financiado pelo governo britânico em parceria com o governo brasileiro. Neste episódio, ela compartilha os principais resultados do seu trabalho e aponta caminhos para o desenvolvimento da fonte de energia renovável.

##BIOGÁS
#SUSTENTABILIDADE
#ECONOMIA