Conecte-se

##ECONOMIA

A hora e a vez do hidrogênio verde (reprise)

Com mais de 80% de sua matriz elétrica baseada em fontes limpas, o Brasil é um candidato natural a protagonista no nova mapa geopolítico da energia

Melina Costa, do Economia do Futuro
##ECONOMIA11 de ago. de 233 min de leitura
Melina Costa, do Economia do Futuro 11 de ago. de 233 min de leitura


No processo de transição energética, uma das estratégias mais promissoras é a chamada "eletrificação de tudo", ou no inglês electrify everything. Isso significa usar eletricidade - desde que ela venha de fontes renováveis - ao invés de queimar combustíveis fósseis. 

Um exemplo disso são os carros elétricos, que devem substituir no futuro aqueles movidos a gasolina. Mas a ideia é fazer isso além do transporte, em todas as outras áreas da economia. 

Só que essa mudança não é simples. Em alguns processos industriais e do transporte pesado, não dá pra ligar máquinas na tomada, esperar que elas carreguem ou usar baterias. Ou seja, não é possível eletrificar atividades diretamente - e é aí que surge o hidrogênio como um vetor de eletrificação indireta. 

O hidrogênio pode ser queimado ao invés de carvão em siderúrgicas para a produção de aço, pode substituir gás natural no aquecimento de casas e a amônia proveniente do hidrogênio pode ser usada como combustível no transporte marítimo de contêineres, por exemplo. 

Hoje, o hidrogênio já é usado na indústria, mas em sua variante mais suja, feita a partir do gás natural e do carvão. Esse é o hidrogênio cinza. Pois eis que, agora, com o barateamento da energia solar e eólica, surge o hidrogênio verde.  

Quase vinte países já apresentaram planos de longo prazo para o investimento na cadeia do hidrogênio verde. A Alemanha está na liderança, com US$ 10 bilhões até 2030. Turbinado com a energia eólica do Atacama, o Chile trabalha para ter a maior capacidade instalada para produção de hidrogênio verde do mundo.

E o Brasil? Com mais de 80% da sua matriz elétrica baseada em fontes limpas, condições naturais favoráveis para novas usinas solares e eólicas, e infraestrutura portuária para exportação, o país é um candidato natural a protagonista nessa nova economia.

O episódio de hoje é a reprise de uma entrevista de junho de 2022 com Philipp Daniel Hauser, do E+ Transição Energética. Esse é um think thank brasileiro, financiado pela filantropia e, em parte, pelo governo da Alemanha. O Philipp é alemão, mas estudou e fez sua carreira no Brasil. Uma das paradas dele foi na vice-presidência de transição energética na Engie, a maior empresa privada de energia no Brasil. 

Uma atualização: desde que essa entrevista foi ao ar pela primeira vez, a química Unigel anunciou que os investimentos em sua unidade de produção de hidrogênio verde em Camaçari, na Bahia, chegarão a US$ 1,5 bilhão nos próximos cinco anos: é mais de dez vezes o valor já comprometido para a planta, que começou a ser erguida em meados do ano passado. E a Engie Brasil anunciou que vai  estudar a viabilidade de produção de hidrogênio verde no Paraná.

Nesta conversa, Philipp explica como funciona o hidrogênio verde, conta sobre o atual estágio de barateamento da tecnologia e dá a sua opinião sobre o que o Brasil deveria fazer para ocupar uma posição de liderança no novo mapa geopolítico da energia que está sendo desenhado agora. 

--

Este episódio é uma reprise. Foi publicado originalmente em  julho de 2022.


O EDF é publicado quinzenalmente às quintas. Para não perder nenhum episódio, siga esse podcast no seu tocador. E, se puder, indique para um amigo. Isso ajuda muito na sustentabilidade deste projeto. 

##ECONOMIA
#HIDROGÊNIOVERDE
#TRANSIÇÃOENERGÉTICA